Traduzindo “palavrões” da moda

 
 
Os blogs, livros e revistas de moda são veículos repletos de estrangeirismos e palavrinhas (ões) específicos que, para quem não é expert, podem ser um pouco difíceis de decifrar à primeira vista. Aposto que numa dessas leituras você já se deparou com um termo totalmente desconhecido; acontece com todos nós. Mas como eu já tou há um tempinho nesse ~metier~, posso dizer que já conheço uma boa parte deles. Por isso minha amiga, seus problemas acabaram! Separei as traduções de alguns desses “palavrões” para mostrar a você!
Os blogs, livros e revistas de moda são veículos repletos de estrangeirismos e palavrinhas (ões) específicos que, para quem não é expert, podem ser um pouco difíceis de decifrar à primeira vista. Aposto que numa dessas leituras você já se deparou com um termo totalmente desconhecido; acontece com todos nós. Mas como eu já tou há um tempinho nesse ~metier~, posso dizer que já conheço uma boa parte deles. Por isso minha amiga, seus problemas acabaram! Separei as traduções de alguns desses “palavrões” para mostrar a você!
 
 
 
Burgundy – Essa palavra anda muito em uso, porém, ela nada mais é que um nome charmoso pra cor vinho. Nada demais.  
 
 
 
 
Flare – No meu tempo era calça boca-de-sino, mas com a modernidade essas peças agoram se chamam de calças flare. É bom anotar mentalmente, porque as danadas estão na moda e lemos esse termo em todo lugar! 
 
 
 
Prêt-a-porter – A expressão francesa significa “pronto pra vestir” e surgiu após a II Guerra Mundial, quando a moda começou a ser mais difundida e democratizada, sendo produzida em maior escala, com maior variedade de estilos, em oposição à alta costura.  
 
Cap toe – É o nome dado aos pisantes que possuem a ponteira de uma cor/material diferente do resto do sapato! O modelo foi criado pela estilista Coco Chanel e foi se reinventando ao longo dos anos, estando na moda até hoje.