Tutorial do tênis

Veja o que você precisa saber antes de escolher o seu par perfeito e, também, os cuidados para mantê-lo sempre em dia. 

É claro que a aparência do tênis é um critério a ser levado em consideração na hora da sua escolha, mas esse critério não deve ser o mais importante. O sistema de amortecimento, o formato da sola e a da ponta do sapato e, principalmente, o seu tipo de pisada devem ser algumas das suas prioridades na hora de procurar pelo companheiro ideal. No entanto, não basta comprar o modelo de última geração, se você não cuidar dele direitinho. 

 

Estável e confortável

“Um reforço interno no calcanhar, o talão, geralmente de plástico maleável e posicionado sob o tecido que reveste o tênis, ajuda a firmar o pé e evitar entorses”, alerta o ortopedista Ricardo Cury, da Faculdade de Medicina da Santa Casa de São Paulo. Essa parte de trás do tênis não deve ser alta demais, pois pode gerar instabilidade e sobrecarregar os dedos.

Fique de olho também no cabedal, o corpo do tênis. A função dessa parte é proteger e firmar o pé durante a corrida. É ideal que seja feito de material leve e flexível, de preferência malha, náilon e tecidos aerados, para permitir a ventilação e não limitar os movimentos. Na parte de cima, fica o sistema de amarração. O mais adequado é o tradicional, com passantes e cadarço fino para não machucar o pé.

Amortece com leveza

Um bom sistema de absorção do impacto do pé com o chão deve ser a qualidade principal de um calçado para corrida. Seja qual for a tecnologia empregada (ar ou gel, na maioria dos casos), precisa amortecer o choque desde o calcanhar até a ponta do pé. Portanto, o dispositivo anti-impacto tem de estar na sola inteira.

Um tênis adequado para corrida deve pesar entre 300 e 350 gramas cada pé, mas há modelos tecnológicos que chegam a menos de 250 gramas. O material usado no cabedal (malha ou náilon), na entressola (borracha ou EVA, espécie de espuma usada para fazer mouse pads) e na sola (borracha mais rígida) garante essa característica, importante para o atleta se deslocar com eficiência e ganhar velocidade.

O tamanho certo

“Não pode ser apertado nem folgado demais. O ideal é comprar um modelo do seu número ou meio número maior (só os importados possuem essa numeração), considerando que você vai correr de meia e que em movimento o pé costuma inchar”, ensina o ortopedista Sidney Schapiro, especializado em traumatologia do esporte.

Descubra qual a sua pisada

Só com essa informação dá para definir o tênis ideal. “O risco de ignorar isso é machucar o pé e, com o tempo, gerar lesões nos joelhos, quadris e coluna por causa da alteração no modo de pisar”, afirma Sidney. Supinadores devem buscar um modelo com reforço extra na parte externa. Já os pronadores precisam de um tênis que ofereça um apoio a mais no arco do pé. Para descobrir, estenda uma folha de papel seca no chão e pise com o pé levemente molhado. A marca deixada vai revelar o seu tipo de pisada.

1 - Pronador

É aquele que pisa para dentro, causando desgaste maior na borda interna do tênis.

2 - Supinador

Quem tem esse tipo de pisada apoia o pé para fora durante a passada e o desgaste é maior na parte externa do tênis.

3 - Neutro

O corredor que apoia o pé no solo de modo uniforme.

Ponta e sola

“A ponta deve ser levemente voltada para cima, a fim de evitar topadas e facilitar a dobra do pé no momento do arranque”, descreve Ricardo Cury. Entressola é a parte entre o cabedal e o solado, onde, na maioria das vezes, se encontra o sistema de amortecimento. Por isso, o mais comum é que seja vazada ou constituída de um material macio, como EVA.

A sola garante tração e estabilidade e o modelo ideal pode variar dependendo do terreno em que você vai correr. Para asfalto e pistas de terra batida, deve ter rachaduras que incrementem a aderência ao solo. O modelo para trilhas acidentadas tem que possuir solado mais rígido e com travas.

Cuide do seu tênis

• Depois de malhar, coloque o tênis para arejar em um local com boa ventilação e à sombra. Não deixe-o ao sol: o calor resseca os materiais (especialmente espuma e borracha), aumentando o desgaste.

• Caso precise eliminar odores desagradáveis, aplique um odorizador, que previne e neutraliza bactérias e fungos.

• Só lave o tênis quando for realmente necessário. Ao levá-lo para o tanque, retire o cadarço e a palmilha e use sabão neutro, escova de cerdas macias e o mínimo possível de água. Jamais deixe de molho ou utilize alvejante, que pode ressecar e reduzir bastante a vida útil do calçado.

• Para secar, passe uma toalha velha por dentro e por fora, para retirar o excesso de água, e coloque-o à sombra na horizontal, com a sola virada para baixo (nunca pendure no varal).

• Se puder ter dois pares para fazer rodízio, melhor. Deixe um descansando por pelo menos 24 horas (tempo que a borracha da sola leva para voltar ao tamanho original).

FONTE: Boa Forma